segunda-feira, 20 de junho de 2016

Pesquisa sobre a utilização de co-produtos da vinificação em animais

Pesquisa com ovinos na vinícola Guatambu 
                                              D/JN
                               Ovinos no meio do vinhedo em Dom Pedrito
                                Carmen Gamba/D/JN
Projeto reúne grupos de pesquisa da UFRGS, UFPel e Embrapa e analisa a alimentação de ovinos com co-produtos da vinificação. O departamento de biologia da UFPel, em parceria com a vinícola Guatambu, GPEP (UFRGS) e projeto PECUS da EMBRAPA, desenvolveu durante 2015, uma pesquisa envolvendo a alimentação de ovinos com co-produtos da vinificação – sementes e cascas de uva. Os 40 animais selecionados para amostra são do plantel da Estância Guatambu, de Dom Pedrito, RS, assim como os co-produtos.
A pesquisa, realizada com recursos provenientes do CNPq, desenvolveu estudos para avaliar técnicas de reaproveitamento de resíduos gerados no processamento de alimentos da maneira mais eficiente possível. São considerados resíduos agrícolas ou coprodutos os provenientes de atividades agrícolas, florestais, agroindustriais e pecuárias, sem utilização posterior na própria exploração. O melhor resultado veio da avaliação das emissões de metano pelos animais, gás que contribui para o aquecimento global e vem despertado diversas discussões sobre a produção e o consumo de carne.
As ovelhas que tiveram incluído o bagaço de uva nas dietas apresentaram uma redução das emissões de gases, indicando não somente a aceitabilidade pelos animais de um produto antes utilizado como adubo, como também as vantagens ambientais e sua utilização como fonte nutricional.
De acordo com a pesquisadora coordenadora do projeto,prfessora Fernanda Medeiros Gonçalves, os resultados obtidos refletem a necessidade de desenvolver pesquisas aplicadas e em parceria com a indústria: “Este projeto mostra como podemos ampliar ganhos em todas as áreas, em especial a preservação ambiental. O êxito na resposta implicará na concepção de novos projetos com diferentes coprodutos da indústria”.
Uma maneira de aproveitamento de coprodutos agroindustriais é na alimentação animal, em especial, na de ruminantes, os quais possuem a capacidade de aproveitar fontes ricas em lignocelulose para produzir carne e leite. O potencial de utilização de coprodutos da vitivinificação na alimentação de ruminantes possui um grande apelo em relação à redução de custos com alimentação e, adicionalmente, atender normas ambientais referentes ao descarte de resíduos.
As mensurações das emissões de metano foram conduzidas pelo bolsista de mestrado do programa de financiamento, Capes – Embrapa, Rodrigo Chaves Barcellos Grazziotin, que revela que o intuito foi conciliar dois problemas ambientais em uma única solução. “Nosso objetivo era encontrar maneiras de aproveitar o alto volume de bagaço de uva gerado no processo de vitivinificação, uma grande preocupação das indústrias atualmente, e a questão das emissões de metano pela pecuária”, conta.
O projeto envolveu a análise nutricional dos coprodutos gerados durante o processamento da uva e seu potencial de utilização na alimentação de ruminantes. O bagaço da uva possui algumas propriedades que são benéficas para o ambiente ruminal e, portanto, auxiliam na digestão dos animais, fazendo com que liberem menores teores de metano na atmosfera.
O estudo também proporciona a divulgação do potencial de utilização de alimentos alternativos aos concentrados nas dietas abrindo uma nova frente em termos de nutrição animal sustentável. Considerando a tropicalidade do Brasil, o estudo ainda agrega o caráter de inovação tecnológica, envolvendo a pesquisa de métodos para a conservação destes coprodutos que permitam a utilização dos mesmos nas épocas de escassez alimentar.
Segundo o médico veterinário e proprietário da Estância, Valter José Pötter, o projeto vem de encontro com a busca pela sustentabilidade em todas as atividades da estância e da vinícola: “A parceria com universidades é uma das características da história da Guatambu. Sempre proporcionamos o diálogo entre a produção e a pesquisa. Além disso, encontrar alternativas sustentáveis para nossas atividades é uma de nossas maiores metas”, declara.
Situada em Dom Pedrito, no coração do pampa gaúcho, a Estância Guatambu é uma empresa familiar dedicada a gerar produtos primários e agroindustriais.
Com aptidão de solo e clima privilegiados, a estância produz uma grande diversidade de produtos. Destaca-se pela utilização de tecnologia de ponta, tanto na agricultura quanto na pecuária, sendo suas atividades centradas na integração de ambas. A pecuária de corte é desenvolvida com bovinos Polled Hereford e Braford, em ciclo completo, e ovinos Texel. Os produtos desta atividade são touros reprodutores superiores e carne de alta qualidade proveniente de animais precoces abatidos dos 14 aos 24 meses de idade, além dos cordeiros pampeanos. Na agricultura, destaca-se a produção de arroz irrigado, milho irrigado com pivô central, soja, sorgo, sementes forrageiras e uvas viníferas.

Desde maio de 2016 a vinícola funciona com 100% de energia solar, tornando-se o primeiro empreendimento da área na América Latina movida através de energia limpa. estanciaguatambu.com.br | guatambuvinhos.com.br

4 comentários:

Anônimo disse...

Deveriam e fazer isso com as proprias maes, e nao com os animais povinho mediocre e hipócrita. VALE LEMBRAR QUE NA CADEIA ESTA CHEIA DE COBAIAS

Juscelita Noetzold disse...

Enquanto animais forem vistos como recursos, este tipo de exploração vai continuar. Ecologia não defende animal e até pode servir de pretexto para a exploração deles. Infelizmente, a exploração de animais pode até se servir do discurso ecológico para se legitimar.

rosely ferraz disse...

Que horror é esse,testes em animais??????Absurdo,crueldade,barbárie!!!!!

Anônimo disse...

Até aonde vai chegar tanta monstruosidade humana.
Eu tenho vergonha da minha espécie.
sinto nojo desses vômito.